segunda-feira, 25 de julho de 2011

A vida é... - Isabel Allende

Isabel Allende: Minha mãe era uma pessoa silenciosa, capaz de dissimular-se entre os móveis, de perder-se no desenho do tapete, de não fazer o menor ruído, como se não existisse; conturo, na intimidade do quarto que dividíamos, ela se transformava. Começava a falar do passado ou a narrar suas histórias, e então o aposento se enchia de luz, desapareciam as paredes, dando lugar a incríveis paisagens, palácios abarrotados de objetos nunca vistos, países longínquos inventados por ela ou tirados da biblioteca do patrão; colocava a meus pés todos os tesouros do Oriente, a lua e mais ainda. reduzia-me ao tamanho de uma formiga, para eu sentir o universo a partir da minha pequenez, punha-me asas para vê-lo a partir do firmamento, dava-me uma cauda de peixe para conhecer o fundo do mar.
"A vida é puro ruído entre dois silêncios abismais. Silêncio antes de nascer, silêncio após a morte."

Isabel Allende

2 comentários:

Fê-blue bird disse...

Sabe amiga Clarisse que Isabel Allende é a minha escritora preferida, tenho todos os livros dela.
Uma MULHER que já sofreu muito, e mesmo assim sempre positiva.

beijinhos

Clarisse Silva disse...

Olá Fê,

Não deixa de ser curioso, pois é também a minha escritora preferida!
Não tenho todos os livros dela, mas a diferença não é muita... Aprecio muito a forma como escreve, principalmente pelo misticismo que a envolve.

Beijo,
Clarisse Silva