sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

PUM, PUM… PUM! Onde estamos?

PUM, PUM… PUM!
Onde estamos?

Pareço ouvir o tic-tac de um relógio. Um som angustiante, quão angustiante se torna ter um interior a gritar por liberdade.
Já não suporto discursos miseráveis a entrarem nos ouvidos de outros ainda mais miseráveis. Projectos de marketing recessos e palavras avessas à verdade; figurinhas aprumadas projectando a luz para si, a Luz que se lhes falta no íntimo; demagogias e lugares-comuns tentando atingir o coração do povo, anos e anos a fio… Não aguento mais! Sinto as náuseas a tomarem conta de mim, quando - incauta e distraída -, ouço sem querer. Outras vezes lá o tento fazer, mas lá me surge este avassalador mal-estar na barriga, ao mesmo tempo em que o desnorte me invade. Fico imaginando as palavras tomarem uma posição e ficarem surdas quando não proferidas com sinceridade! Ah… Chega de tanta mentira! Chega de tanto egoísmo! Chega de pedirem mais sacrifícios às pessoas, principalmente quando não têm mais para onde se possam esticar!
Assiste-se, diariamente, a novos desenvolvimentos admiráveis, quando no dia anterior pensávamos que nada mais nos admiraria! Até onde vai a desfaçatez?! Até onde vai a ganância?! Até onde vai a corrupção?! Até onde vai a malvadez?! Sim, pois com tudo isto começa-se a pensar que quem nos dirige são seres inferiores, ainda portadores de uma selvajaria secular, disfarçados de modernismo, numa sociedade que destorceu - quase por completo - os reais valores humanos! As pessoas são números que se podem manipular, numa contabilidade desorganizada pelos organismos, jogando a seu bel-prazer, conforme a conveniência do momento.
Assiste-se, diariamente, a um desnorte com aumentos de preços descabidos nos mais variados sectores que afectam directamente a vida dos cidadãos, sem que o governo aja com vista à protecção, principalmente, dos mais sensíveis.
Assiste-se a tanta e tanta coisa degradante…
Grassa a injustiça, e parcialidade, a corrupção, o egocentrismo, a mentira, a burla, o engano, a desumanização, os jogos de poder, a ganância, e mais um sem-número de palavras, todas elas sinónimo de inferioridade. Será que não somos capazes de melhor?! 

Clarisse Silva
26 de Janeiro de 2012

2 comentários:

folha seca disse...

Cara Clarisse
Permita-se juntar a minha à sua "voz". Está lá tudo!
Abraço
Rodrigo

Fê-blue bird disse...

Minha amiga:
Sabe que partilho das suas preocupações e da sua revolta.
Não sei também onde vamos parar.
Confesso que já nada me surpreende, o que é muito mau.

Um beijinho