quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

HUMANIDADE (uma carta)

Foto: Clarisse Silva
Humanidade é o título escolhido para este post, que mais não é que uma carta escrita da prima Fátima, para Delfina, Fernanda e Lurdes.


“09.11.2010
Minhas queridas primas:
Delfina Fernanda e Lurdes
Eu queria gritar ao mundo inteiro este agradecimento que vos devo pela forma como tratastes a vossa mãe (minha tia), agradecer-vos o exemplo que destes a todos nós sociedade que está a ficar sem estes valores morais (AMAR o velhinho). Hoje toda a gente tem nojo do velho esquecendo que amanhã também vai ser o mesmo. O armazém dos velhos parece que é o que de forma geral todos os velhinhos têm no fim da sua vida. Será isso que um pai, uma mãe merece no fim da sua vida?!!! Não, pela vida que nos deram merecem tudo dos filhos e da sociedade em geral. Mas perdoai-me hoje não é dia de sermão mas de louvor. Obrigada pelo que fizestes com os meus tios que eu gosto muito, e que sempre que pude dei um apoio não sendo mais, pelo menos moral. Obrigada e que Deus vos recompense já nesta vida com saúde para todas as vossas famílias. Um beijo com muito AMOR para vocês três.
Fátima”

Em homenagem a todas as pessoas em questão, incluindo a que já não está entre nós. Aos valores humanos no interior de cada uma delas. Um apelo à sociedade para que não ignore totalmente aquilo que deveria ser sempre: Humana!

Clarisse Silva

3 comentários:

folha seca disse...

Clarisse
Raramente comento os seus posts, apenas por que são tão belos que não lhes comsigo acrescentar nada.
Hoje. já algumas coisas mexeram comigo ao ponto de eu, um calmeirão de 1,80 mt e quase uma centena de kg, chorar.
O seu post e a sua referência aos "armazens dos velhos" mexeu comigo. Pois o meu Pai foi um desses "velhos" que viveu o seu ultimo ano de vida, numa coisa dessas. Ainda hoje, sinto uma espécie de remorso por isso ter acontecido. Razões existem para que assim tivesse que ser. Mas não são suficientes para que me deixe de sentir mal.
Cumprimentos

Fê-blue bird disse...

Querida amiga:
Como o amigo comum folha seca escreveu e bem, a amiga põe a sua alma em tudo o que coloca aqui, e nem sempre é fácil comentar a beleza e a grandeza da alma.
Esta "carta" direi assim, é um agradecimento tão sentido que me comoveu muito mais do consigo escrever.

Beijinhos

Fernando Santos (Chana) disse...

Belo post...Espectacular....
Cumprimentos