segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Poema da Semana: "É natal, e há sinos a tocar lá fora."

Diz-se que Natal é quando o homem quiser... Deixo-vos este texto que me tocou particularmente. Um texto inspiradíssimo, apreciem!


Foto: jvc - Joao Vicente em Olhares



É natal, e há sinos a tocar lá fora.

Insuflados egos. Poetas cegos.
Hora de acordar, há morte lá fora a rondar pessoas de pele e osso. Abutres ao céu.
Clarividência, assombro de voz.
Iluminadas mentes à perseguição do miolo da noz.
A revelação das palavras vãs, gordas e fartas de carvão a esborratar folhas e folhas, e, mais folhas.
Não sei de vós.
Poetas.
Sei do tempo delicado, em volta do ninho de um pardal, que por si aprende a voar.
Sei do espaço escuro, que comporta as paredes da caverna impenetrável onde o mar liberta a fúria e sei da matéria indivisível que se forma na extensão da base, da montanha dos justos.
Sei com quantos passos se percorre a estrada das lágrimas, que guia as almas à elevação para assim, aceitarem caladas o gume da foice, antes de descerem ao inferno ou subirem ao céu.
Não sei de vós.
Insuflados egos. Poetas cegos.
Clarividência, assombro de voz.
Renasço e morro, por cada vez que nasce e morre uma criança, e renasço sempre, com o vazio da vida perdida e não vivida, a latejar no peito.
Sei de crateras assombradas nos confins do cosmos, onde agonizam as estrelas que deixam de brilhar, sopradas pela mais fria solidão.
Não sei de vós.
Poetas.
Iluminadas mentes à perseguição do miolo da noz.
Palavras ocas, vestes de falsos puritanos, roupas que me impõem, rasgadas. E não, não quero saber delas também. Que ardam na fogueira do apocalipse.
Sei da inevitabilidade da morte, e do seu valor, pela medida e grandeza da vida dos homens íntegros, não dos que de íntegros se fazem, e sei da necessidade da dor, e do seu significado, pela intensidade do sofrimento - aquele sofrimento que me trazem.
A maior das dores, é causa directa do impacto de pedras, e por serem pedras e mudas, não falam sobre a motivação da mão que as lança no escuro.
Sei, que sem mágicos não há magia. Sei do natal das crianças que ainda acreditam e sonham, e do natal dos pais das crianças que não podem e sofrem, em lágrimas a pender sorrisos e afagos à ceia remediada.
Pudesse eu ignorar, fechar os olhos e não andaria à volta do meu umbigo a inventar esta forma de escrever amor.
Iluminadas mentes à perseguição do miolo da noz.
Poetas.
Nada sei de vós.
À pretensão em meus pensamentos. Sequer. Um balde de água suja, a dizer-se parte do oceano azul.
Mas sei, o que me faz homem por inteiro, e erguer face à adversidade.
Não há palavras nem vontades que me quebrem e retirem dignidade.
Não há palavras que derrubem os homens, que se formam e crescem apoiados no respeito.
Sei de mim e dos que amo, e dos princípios pela honra, que me fazem levantar, ser e viver.
Até ao dia, que me foi designado, para morrer.
Não sei de mais ninguém e nunca quis saber.
Clarividência, assombro de voz.
Poetas.
Nada sei de vós.
É natal, e há sinos a tocar lá fora.


Autor: Nuno Marques
Perfil do Autor: Clique aqui
Postagem no WAF: Clique aqui


© Direitos de autor reservados.

4 comentários:

Fê-blue bird disse...

Minha amiga:
Realmente um texto admirável, um grito, um chamamento:

"Poetas
Nada sei de vós."

Obrigada por mais esta tocante partilha. Precisamos urgentemente de poetas!

Beijinhos

Sonhadora disse...

Minha querida

Um texto muito profundo e tocante, adorei ler.

Beijinhos com carinho
Sonhadora

Clarisse Silva disse...

Olá Fê,

"Um mundo sem artistas seria um mundo sem cor" li algures um dia... e subscrevo.
Obrigada pela passagem e pelo comentário.
Beijinhos,
Clarisse

Clarisse Silva disse...

Olá Sonhadora,

Ainda bem que a tocou também. Considero um grane texto, sem dúvida!
Obrigada pela visita e comentário.
Beijinhos,
Clarisse